sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

A mais linda voz, Whitney Houston, se cala em 11/02/2012

A voz humana é o instrumento mais encantador que existe em matéria de música: única, exclusiva, insubstituível. Nelson Gonçalves, Simone, Milton Nascimento, Luiz Gonzaga, Elis Regina, Mariza Monte, Oswaldo Montenegro, Mariah Carey, Whitney Houston são exemplos de magníficas vozes.

O sucesso, as premiações recebidas ao longo da carreira, o reconhecimento ratificam o talento de Whitney.

The Graetest Love of All, composta por George Benson, é uma das obras-primas da música pop e um de seus maiores hits. Essa música na voz de Whitney Houston é tudo que não se pode definir, como a poesia e a Luz, trazendo deslumbrante emoção,  prazerosa vibração de um momento...

Tudo é passageiro e não existe possibilidade de se manter nos píncaros do sucesso o tempo todo... A grande cantora deixa sua marca, imortalizada em áudio de indescritível magia.

Difícil para um artista, como para todo ser humano, conviver com a limitação. O artista também é condicionado (é humano): possui os mesmos sentimentos que os outros seres comuns. E quando aparecem os desenganos e os fracassos, nada parece fazer sentido, e o artista pode cair num vazio, muitas vezes, sem volta se se busca a salvação nas drogas. Ser forte, quem é capaz?

Há poucos meses se foi Amy Winehouse, outra voz maravilhosa, agora, Whitney Houston. O sucesso é o que se persegue, mas o homem é insatisfeito por natureza mesmo alcançando a glória (sempre passageira). O que somos está por dentro de nós num lugar que ninguém vê nem percebe: uma ilusão que pode ser liberdade ou precipício. Quem é capaz de vencer? E, o que é vencer?!

Adeus, Whitney Huston: nos conceitos musicais, a perfeição, o encanto, a beleza, a voz impossível, infinita Luz é o seu canto...

Nenhum comentário:

Postar um comentário