sábado, 27 de agosto de 2011

O lugar de amar

Um espaço, um tempo, o alcance.
Viver o lance alucinante,
onde a bela insinuante expõe-se a cintilar
trazendo de si toda beleza.


Um magnetismo frenético em nossa volta,
e a vazão louca nos comporta
a revolução de dois corpos.


Bebo o copo do prazer 
na sede de duas bocas e,
sem medida pouca, nesse prazer me afogo.


Jogo o jogo perdido no viajar desconhecido,
bem-vindo das fontes: pérola mares e montes,
curvas da emoção; descontrolado o coração.


E o momento se faz eterno,
todo calor do inverno,
no amor ardente, nosso fogo,
e a respiração: um sufoco,
em apetite voraz, a sensação impossível,
o delírio que pede mais,
um lado torna-se audaz, e o outro, invencível...
         João Lover

Nenhum comentário:

Postar um comentário